Tarifas bancárias tem diferenças de mais de 400%, constata Procon-SP

Por em julho 10, 2017


A Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, realizou pesquisa das tarifas bancárias praticadas por seis instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, CEF, Itaú, Safra e Santander. Foram comparados os serviços prioritários e os pacotes padronizados.
No comparativo entre os bancos dos serviços prioritários vigentes em 6/6/2017, verificou-se que a maior diferença foi de 444,44%, relativo ao serviço “Pagamento de contas utilizando a função crédito do cartão”, sendo o menor valor, de R$4,50, praticado pelo Banco do Brasil e o maior, de R$ 24,50, pelo Santander.
Na comparação, por banco, entre os valores praticados em 2016 e 2017, a maior variação encontrada foi na Caixa Econômica Federal – de 126,67% para a emissão da 2ª via cartão de crédito. Em 2/6/2016 o custo deste serviço era de R$ 7,50 e, em 6/6/2017, de R$ 17,00.
A pesquisa, que tem como objetivo verificar a evolução das tarifas bancárias e esclarecer os consumidores, coletou os dados nos sites das instituições. Veja a pesquisa completa aqui.
Pacotes Padronizados
Os bancos são obrigados a oferecer quatro tipos de pacotes de serviços padronizados pelo Banco Central. Por isso eles também foram analisados e comparados. A maior diferença encontrada foi no Pacote Padronizado IV, o menor valor cobrado é de R$31,00 pelo Safra e o maior, de R$ 38,00, pelo Itaú, uma diferença de 22,58%.
Comparando os valores praticados em 2016 e 2017 pelas seis instituições financeiras pesquisadas, referente aos quatro pacotes padronizados I, II, III e IV, verificou-se que o valor médio aumentou em todos, sendo a maior variação positiva no pacote padronizado II: em 2/6/2016 o valor médio foi de R$ 16,99 e em 6/6/2017 foi de R$ 18,54, significando uma elevação de 9,12%.
Orientações ao consumidor
Para as transações que excederem o limite de gratuidades, ou para qualquer outro serviço, o cliente tem duas opções: pagar tarifas individuais para cada serviço excedente ou contratar pacote de serviços com pagamento de um valor único por um conjunto de serviços disponibilizados.
O Banco Central determina um rol de serviços gratuitos, é importante o consumidor observar se os serviços essenciais gratuitos atendem as suas necessidades, antes de optar por um pacote.
No caso de optar pela contratação de um dos pacotes padronizados, verificar se os serviços inclusos e suas respectivas quantidades estão de acordo com sua utilização.
Observar se a instituição financeira oferece algum desconto no pacote em função do relacionamento com o banco.
Não extrapolar a quantidade de serviços estipulada no pacote contratado, para evitar pagar também a tarifa individual do serviço. A contratação do pacote não é obrigatória, não podendo ser imposta pelo Banco.
Gilmar de Almeida é jornalista e fundador do cotiatododia
Gilmar José de Almeida
Gilmar José de Almeida

Deixe seu comentário